topo-mochila

Início de ano, escolha dos itens que comporão o material escolar.
É comum que a escolha da mochila escolar seja feita com base “na moda” ou pela preferência das crianças por determinadas personagens.

Sabemos que cuidar da saúde e da “coluna vertebral” é importante, principalmente na fase de crescimento.

Saiba fazer a escolha correta. Leia as orientações a seguir:

  • Aos 4 ou 5 anos, o ideal é que a criança utilize apenas uma lancheira (merendeira), e caso seja necessário, uma bolsa com rodinhas para carregar o material didático.
  • Aos 6,7 anos, ainda se recomenda a bolsa com rodinhas, mas já é possível carregar uma mochila às costas, desde que sem muito peso.
  • Aos 12, 13 anos, a mochila está liberada, desde que dentro dos critérios estabelecidos, ou seja, segundo a regra dos 10%.
  • Mas, para prevenir as dores seguidas dos outros efeitos indesejáveis, é preciso ficar atento à forma como a bolsa é usada, a começar pelo tamanho, que nunca deve ser maior que o comprimento do tronco da criança.
  • O apoio deve ser feito no dorso e não na região lombar. É importante usar as alças nos dois ombros, distribuindo melhor o peso da mochila.
  • As alças precisam estar bem ajustadas para que a sacola fique rente à altura dos ombros. Caso as alças sejam longas, haverá sobrecarga na região do pescoço, causando dor no trapézio, que pode irradiar pelo braço ou subir pela nuca causando tensão muscular e dores de cabeça.
  • Quando a bolsa fica muito baixa, chegando à altura do bumbum da criança, há uma importante sobrecarga na região da Lordose lombar (região curva às costas, situada acima da parte central dos ombros e atrás do pescoço), o que causa dor muscular e cefaléia.
  • Quando a criança estiver com a mochila, ela deve dobrar os joelhos para se abaixar ao invés de se inclinar dobrando as costas.
  • Escolha uma mochila leve, que, vazia, não pese mais que meio quilo.
  • Mochilas com duas alças devem ser as escolhas predominantes.
  • Observe se as alças são acolchoadas e reguláveis. Alças estreitas causam compressão nos ombros, deixando a musculatura tensa, o que causará dores que se estenderão pelas costas, pescoço e cabeça.